Portal do IFUSP

O Instituto de Física da USP é a maior e mais antiga instituição de pesquisa e ensino de Física no Brasil. Ele provém dos Departamentos de Física da Escola Politécnica e da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, reunidos no Instituto a partir de 1970. O Instituto tem em seus quadros mais de 225 pesquisadores, além de cerca de 400 alunos de pós-graduação e 1.200 de graduação, juntos com mais de 300 funcionários em seus quadros. Do ponto de vista didático, o Instituto de Física mantém laboratório para cerca de três mil estudantes da USP, nas áreas de engenharia, ciências exatas e biologia e mais exposições científicas destinadas a estudantes do ensino fundamental e médio e ao público em geral.

O desafio: quando o Umcomum foi procurado pelo IFUSP, a demanda que foi apresentada era a de repensar o portal de acesso às informações do instituto. Por conter muitas informações, servir a públicos muito distintos e disponibilizar ferramentas de trabalho para os departamentos internos, o excesso de funcionalidades e conteúdos demandava uma quantidade grande de tempo para que se chegasse ao final da jornada de cada usuário. Além disso, como muitos dos professores e funcionários do instituto são bons programadores, acabou-se criando diversos apêndices informais à plataforma, o que dificultou o reconhecimento de uma unidade de linguagem visual e de navegação.

Diagnóstico

O Umcomum definiu em reuniões de briefing, juntamente ao IFUSP, que o ponto de partida do projeto seria uma imersão com os diversos públicos de interesse que utilizam o portal para entender e mapear as diversas funcionalidades, formas de uso e informações que seus usuários buscam e utilizam, desenhando suas jornadas dentro do portal. Com isso seria possível colocar o design a serviço dos públicos de interesse do projeto, indo a campo e colocando os usuários em foco, tornando-o protagonista e colaborador do processo, do começo ao fim. Assim, o Umcomum tinha dois principais objetivos: mapear a utilização e necessidade dos públicos envolvidos e propor soluções de arquitetura de informação para o novo portal a ser concebido.

No mapeamento, funcionários do Instituto, professores e alunos foram definidos como os principais públicos do portal, com os quais se desenvolveram oficinas em grupo e entrevistas em profundidade para entender pontos como tipos de conteúdo e funcionalidades mais acessadas – bem como as não utilizadas – e como estes públicos imaginavam o portal ideal, aproveitando-se de referências externas e do poder de criação colaborativa para idear novas estruturas para o portal.

 

Foram realizadas mais de 20 entrevistas individuais e coletivas com funcionários, alunos e professores, além de 3 oficinas com representantes destes mesmos grupos. A preocupação foi considerar, nesta etapa de contextualização, o máximo possível de usuários para que a análise posterior estivesse bem representada e fundamentada.

Observação

Compreensão

Ideação

Experimentação

Execução

A sistematização vinda da compilação dos dados coletados na primeira etapa, compartilhada com a equipe gestora do projeto, possibilitou uma compreensão macro de um problema que envolvia diferentes perfis de públicos e objetivos que cada um tinha ao utilizar o portal. Foi possível entender e mergulhar mais a fundo nas percepções, necessidades e desejos dos usuários, bem como compreender onde existiam sinergias e divergências em relação ao uso do portal. Este trabalho precedeu a geração de ideias e tem como objetivo dar subsídios para que a próxima etapa, esta sim generativa, pudesse ser feita com base em informações bem fundamentadas e com uma visão acerca da problemática compartilhada por todos: os desafios mais difíceis estavam relacionados à organização interna do instituto e não à parte técnica do sistema por trás do portal.

Observação

Compreensão

Ideação

Experimentação

Execução

As dinâmicas em grupo, separando alunos, professores e funcionários, foram momentos tanto de contextualização em que fez-se entender as jornadas dos usuários do portal quanto de ideação para novas estruturas e funcionalidades. No caso do projeto para o IFUSP, a etapa de ideação se deu a partir do desenho de diversas possibilidades de navegação, além de propostas de divisão dos conteúdos. Desde as mais simples, até as mais arrojadas, foram desenhadas estruturas com jornadas de usuários diferentes, para que se pudesse ter diversas possibilidades de solução, que abrirá as portas para que a fase de experimentação seja também rica em opções.

Observação

Compreensão

Ideação

Experimentação e execução

Projeto em andamento

Observação

Compreensão

Ideação

Experimentação

Execução